Outubro Rosa, um movimento contra o câncer e pela vida

O décimo mês do ano começa com as manifestações do já tradicional Outubro Rosa, a campanha de conscientização que tem por objetivo alertar as mulheres e a sociedade em geral sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama, tipo mais comum da doença entre as mulheres, no Brasil e no mundo, e, mais recentemente, também sobre o câncer de colo do útero.

O movimento surgiu na década de 1990, nos EUA. Atualmente, é realizado em vários lugares do mundo, inclusive no Brasil e para contribuir com as ações que serão promovidas em 2018 por aqui, o Portal Health Connections fez uma compilação de fatos e dados importantes sobre a doença, que valem a pena ser lembrados.

O câncer de mama não tem somente uma causa. A idade é um importante fator de risco (cerca de quatro a cada cinco casos ocorrem após os 50 anos), mas, segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), obesidade, sedentarismo, histórico familiar de câncer de ovário e de câncer de mama em homens e casos de câncer de mama na família, principalmente antes dos 50 anos também são quesitos para os quais é preciso atentar, além de fatores ligados ao histórico reprodutivo e hormonal da mulher.

A detecção da doença em fases iniciais, em grande parte dos casos, amplia as chances de tratamento e cura. O Ministério da Saúde, no Brasil, recomenda que mulheres entre 50 e 69 anos façam uma mamografia de rastreamento (quando não há sinais nem sintomas) a cada dois anos (médicos, muitas vezes, indicam que o exame deve se tornar rotina a partir dos 40 anos). A mamografia ajuda a encontrar o câncer no início e permitir um tratamento menos agressivo. O SUS oferece exame de mamografia para todas as idades, quando há indicação médica.

Além disso, segundo o INCA, todas as mulheres, independentemente da idade, podem e devem conhecer seu próprio corpo, para saber o que é e o que não é normal em suas mamas. Sendo assim, o autoexame é fundamental, sem técnica específica, valorizando a descoberta casual de pequenas alterações mamárias, e deve ser praticado mensalmente entre o 7º e o 10º dia contados a partir do 1º dia da menstruação. As mulheres que não menstruarem devem escolher um dia do mês.

Para examinar as mamas, deve-se apalpá-las com as mãos. Em seguida, deve-se pressionar os mamilos suavemente e verificar se há liberação de secreção.

Após examinar as mamas, deve-se, ainda, apalpar toda a área das axilas, debaixo dos braços.

Os principais sinais e sintomas do câncer de mama são:

Caroço (nódulo) fixo, endurecido e, geralmente, indolor;

Pele da mama avermelhada, retraída ou parecida com casca de laranja;

Alterações no bico do peito (mamilo);

Pequenos nódulos na região embaixo dos braços (axilas) ou no pescoço;

Saída espontânea de líquido dos mamilos

Vale lembrar que o autoexame não substitui os exames clínicos tradicionais. As mulheres devem procurar imediatamente um serviço para avaliação diagnóstica ao identificarem alterações persistentes nas mamas.

Mulher, cuide-se!


18 visualizações