Estudo indica imunidade a longo prazo a infectados pela COVID-19

Um artigo publicado na revista científica Nature observou que a infecção pelo coronavírus induz uma imunidade de longo prazo na maior parte dos indivíduos infectados e o nível de anticorpos pode aumentar em até 50 vezes após a vacinação. Os pesquisadores Wang e colegas, autores do estudo, relatam uma investigação de acompanhamento de anticorpos séricos e células B de memória específicas para SARS-CoV-2, aproximadamente um ano após a infecção. Os indivíduos estudados já haviam sido analisados ​​pelo grupo de cientistas após seis meses, mas, só agora, após um ano, é que a transição de uma reação imunológica aguda para a geração de memória imunológica se tornou evidente.


A memória imunológica não é uma versão duradoura da reação imune imediata a um vírus específico, mas um aspecto distinto do sistema imunológico. Na fase de memória de uma resposta imune, as células B e T específicas de um vírus são mantidas em estado de dormência, mas estão prontas para entrar em ação se encontrarem o vírus novamente ou uma vacina que o represente.



Os pesquisadores mostraram também que a imunidade pode ser ampliada ainda mais em indivíduos convalescentes, vacinando-os após um ano. Isso resultou na geração de mais células plasmáticas, juntamente com um aumento no nível de anticorpos contra SARS-CoV-2 que era até 50 vezes maior do que antes da vacinação. Algumas das células plasmáticas, provavelmente, serão recrutadas para se tornarem células plasmáticas de memória, embora isso ainda precise ser demonstrado formalmente, assim como a indução de memória estável de longo prazo como consequência da vacinação contra o SARS-CoV-2.


Leia aqui o artigo completo: https://www.nature.com/articles/d41586-021-01557-z



15 visualizações0 comentário