Entenda os impactos das intervenções governamentais não farmacêuticas no controle da COVID-19

Atualizado: há 4 dias

Combinação de intervenções adaptadas a cada país tende a ser mais eficaz


Um estudo avaliou os impactos das intervenções governamentais não farmacêuticas, como forma de mitigar a propagação da SARS COV-2. Os resultados indicam que uma combinação adequada de intervenções governamentais não farmacêuticas (INFs) é necessária para conter a propagação do vírus. A pesquisa foi publicada pela Nature Human Behavior e é o resultado da colaboração entre a Sony CSL Paris, o Complexity Science Hub Vienna e a Sapienza University of Rome.

As intervenções governamentais podem gerar custos econômicos e sociais substanciais, ao mesmo tempo que afetam o comportamento, a saúde mental e a seguridade social da população. Portanto, o conhecimento das INFs mais eficazes permitiria que as partes interessadas implementassem de forma criteriosa uma sequência de intervenções para combater o ressurgimento da COVID-19 ou qualquer outro surto respiratório futuro. Desta forma, seriam elaborados planos de resposta eficientes, como forma de retardar e moderar a disseminação do vírus.


Como a pesquisa foi feita?


O estudo publicado pela revista mostrou o impacto de 6.068 INFs codificados hierarquicamente, implementados entre março e abril de 2020, em 79 territórios sobre o número de reprodução efetiva, R t, da COVID-19. Foi proposta uma abordagem que combina quatro técnicas computacionais, mesclando ferramentas estatísticas, inferência e inteligência artificial. As descobertas foram validadas com dois conjuntos de dados externos, que registram 42.151 INFs adicionais de 226 países.

Para calcular o R t, o estudo usou séries temporais do número de casos de COVID-19 confirmados. De acordo com os autores, a abordagem da pesquisa pode representar de forma exagerada os pacientes com sintomas graves e pode ser influenciada por variações nas políticas de teste e notificação entre os países. O número de reprodução, apesar do intervalo serial constante (intervalo médio de tempo entre a infecção primária e secundária), pode apresentar considerável variação na literatura e depende de medidas como distanciamento social e autoisolamento.


Conclusões: eficácia dos INFs dependem do contexto local


INFs menos perturbadores e caros podem ser tão eficazes quanto os mais intrusivos e drásticos (por exemplo, um bloqueio nacional). Usando cenários hipotéticos específicos de cada país, foi avaliado como a eficácia dos INFs depende do contexto local, como o momento de sua adoção, abrindo caminho para prever a eficácia de intervenções futuras.


Bloqueios e restrições como medidas preventivas


Os INFs mais eficazes incluem toques de recolher, bloqueios e fechamentos e restrição de locais onde as pessoas se reúnem em números menores ou grandes por um longo período. Isso inclui cancelamentos de pequenas reuniões (fechamento de lojas, restaurantes, reuniões de 50 pessoas ou menos, trabalho doméstico obrigatório e assim por diante) e fechamento de instituições educacionais.


Fechamento de escolas nos EUA reduziu mortalidade em cerca e 60%


As evidências mais recentes têm sido a favor da importância do fechamento de escolas nos Estados Unidos. Essa medida reduziu a incidência e a mortalidade por COVID-19 em cerca de 60%. O resultado também está de acordo com um estudo de rastreamento de contato da Coreia do Sul, que identificou adolescentes de 10 a 19 anos como mais propensos a espalhar o vírus do que adultos e crianças em ambientes domésticos. Restrições de movimentos individuais, incluindo toque de recolher, proibição de aglomerações e movimentos para atividades não essenciais ou medidas de segmentação da população foram bem classificadas em eficácia pelo estudo.


Confinamento domiciliar aumentou taxas de violência doméstica


Por outro lado, porém, atitudes radicais também podem ter consequências adversas. O fechamento da escola interrompe o aprendizado e pode levar à má nutrição, estresse e isolamento social de crianças. O confinamento domiciliar aumentou fortemente a taxa de violência doméstica em muitos países, com um grande impacto em mulheres e crianças, enquanto também limitou o acesso a cuidados de longa duração, como quimioterapia, com impactos substanciais na saúde dos pacientes e chance de sobrevivência.

De acordo com a pesquisa, os governos podem precisar tomar medidas menos rigorosas, abrangendo prevenção eficaz máxima, mas permitindo um equilíbrio aceitável entre benefícios e desvantagens

Tomados em conjunto, o distanciamento social e as medidas de restrição de movimento discutidas acima podem, portanto, ser vistas como a “opção nuclear” dos INFs: altamente eficazes, mas causando danos colaterais substanciais à sociedade, à economia, ao comércio e aos direitos humanos.


Restrições de fronteira para evitar disseminação do vírus


O estudo encontrou um forte apoio para a eficácia das restrições de fronteira. O papel das viagens na disseminação global de doenças respiratórias provou ser central durante a primeira epidemia de SARS (2002–2003), mas as restrições às viagens mostram um grande impacto no comércio, na economia e no sistema de resposta humanitária, globalmente A efetividade do distanciamento social e das restrições de viagens também está de acordo com os resultados de outros estudos que utilizaram diferentes abordagens estatísticas, métricas epidemiológicas, cobertura geográfica e classificação NPI.


INFs eficazes e menos onerosas: a importância da comunicação


Estratégias de comunicação de risco aparecem com destaque entre as INFs de consenso. Isso inclui ações governamentais destinadas a educar e comunicar-se ativamente com o público. As mensagens incluem encorajar as pessoas a ficarem em casa, promover o distanciamento social e medidas de segurança no trabalho, o isolamento autoiniciado de pessoas com sintomas, avisos de viagens e campanhas de informação (principalmente por meio das redes sociais). Todas essas medidas são conselhos governamentais não vinculativos, contrastando com a restrição obrigatória nas fronteiras e as medidas de distanciamento social que são frequentemente aplicadas pela polícia ou intervenções e sanções do exército.


Surpreendentemente, comunicar sobre a importância do distanciamento social tem sido apenas marginalmente menos eficaz do que impor medidas de distanciamento por lei. A publicação de diretrizes e protocolos de segurança do trabalho para gestores e profissionais de saúde também foi associada a uma redução na R t , sugerindo que os esforços de comunicação também precisam ser adaptados às principais partes interessadas. As estratégias de comunicação visam a capacitar as comunidades com informações corretas sobre a COVID-19. Podem ser de importância crucial no direcionamento de estratos demográficos específicos que desempenham um papel dominante na disseminação da COVID-19.


Programas sociais para populações vulneráveis


Os programas governamentais de assistência alimentar e outros apoios financeiros para populações vulneráveis ​​também se revelaram altamente eficazes. Portanto, não impactam apenas a esfera socio econômica, mas também têm um efeito positivo na saúde pública. Por exemplo, facilitar o acesso das pessoas a exames ou permitir que se isolem sem medo de perder o emprego ou parte do salário pode ajudar a reduzir o R t.


A eficácia de INFs individuais é fortemente influenciada pela governança e pelo contexto local, conforme evidenciado pelos resultados da abordagem entrópica. Inclui o estágio da epidemia, características socioeconômicas, culturais e políticas e outras INFs previamente implementadas.


A pesquisa mostrou que as intervenções mais eficazes estão relacionadas ao fechamento e à restrição à maioria dos lugares onde as pessoas se reúnem em números menores ou maiores por longos períodos (empresas, bares, escolas e assim por diante). No entanto, foram encontradas várias ações altamente eficazes que são menos intrusivas, como restrições de fronteiras terrestres, apoio governamental a populações vulneráveis ​​e estratégias de comunicação de risco.


Intervenções governamentais não farmacêuticas menos invasivas devem ser a primeira opção


O estudo recomenda que os governos e outras partes interessadas considerem primeiro a adoção de INFs menos invasivas, adaptados ao contexto local, caso os números de infecção aumentem (ou aumentem uma segunda vez), antes de escolher as opções mais agressivas. Medidas menos drásticas também podem promover uma melhor adesão da população.


Os autores concluem que não existe uma INF única que impeça a propagação da COVID-19. É necessária uma combinação de intervenções adaptadas a cada país e suas condições. Destacam que seus dados são limitados no tempo e que mais pesquisas são necessárias para avaliar o impacto das INFs durante um período mais extenso, quando os países estavam abrandando e (ou) retomando as restrições.


Para ler o artigo completo e ver os detalhes da pesquisa, acesse:

https://www.nature.com/articles/s41562-020-01009-0#Sec2






5 visualizações0 comentário